Blog Shen

Da essência à integralidade !

Por Susilaine Moraes Aquino

Diagnóstico em Medicina Chinesa: Entendendo os Sinais Menstruais e Leucorreia

O ciclo menstrual e ocorrências de leucorreia são elementos importantes no diagnóstico da Medicina Chinesa. Vamos analisar alguns indicadores e seus possíveis significados:

Menstruação:

  • Período menstrual adiantado em 8 a 10 dias pode indicar um congestionamento de Fígado (energia) ou acúmulo de sangue. Possíveis causas incluem calor perverso fazendo o sangue circular de forma irregular ou Qi (energia vital) deficiente incapaz de reter o sangue. Se a menstruação estiver atrasada por mais de 8 a 10 dias, pode ser resultado de obstruções de mucosidades e humores ou estagnações de Qi e sangue. Isso pode ocorrer devido ao frio coagular o sangue ou à estagnação de Qi, que afeta a circulação adequada.
  • Quantidade de menstruação: A ausência de menstruação (amenorreia) pode ser causada por insuficiente produção de sangue, vazio de Qi com pouco sangue, estagnação ou coagulação do sangue devido ao frio. Porém, algumas mudanças nas condições de vida também podem levar à amenorreia. Já a oligomenorreia, ou seja, a diminuição do fluxo menstrual, pode ser causada por deficiência na produção de sangue, obstrução por acúmulo de sangue, umidade ou coagulação pelo frio. Por outro lado, as menorragias podem surgir quando os meridianos Chong Mai e Ren Mai estão lesados, ou devido a um estado de vazio de Qi, que não consegue reter o sangue.
  • Cor e natureza do fluxo: Sangue líquido e de cor vermelho-claro, sem brilho, indicam pouca quantidade de sangue, caracterizando um sintoma de vazio. Por outro lado, o fluxo de cor vermelho-escuro e viscoso sugere que o sangue está quente e queimando no interior do corpo, o que caracteriza sintoma de plenitude. A presença de coágulos com coloração púrpura indica estagnação do sangue devido ao frio, enquanto coágulos vermelho-escuros são associados ao acúmulo de sangue.
  • Dismenorreia (menstruação dolorosa e difícil): Inchaço e dor no baço antes ou durante o período menstrual podem indicar estagnação de Qi ou acúmulo de sangue. Se o baço estiver frio e dolorido, mas aliviado pelo calor, isso pode apontar para uma coagulação causada pelo frio. Dor surda no baço, cansaço lombar durante ou após o período menstrual pode indicar enfraquecimento do Qi Xue (sangue e energia) e falta de abastecimento nos meridianos Chong Mai e Ren Mai.

Leucorreia:

  • Corrimentos abundantes, brancos e fluidos como ranho podem indicar vazio no baço e concentração de umidade. Se os corrimentos forem amarelos, viscosos, malcheirosos e causarem coceira nas partes externas das regiões genitais, isso pode apontar para a concentração de umidade-calor. Corrimentos vermelhos e ininterruptos com leve odor nauseabundo podem indicar acúmulo de calor no meridiano F ígado(energia). Por fim, corrimentos escuros, frios e abundantes, com fadiga e frieza na região lombar e no abdômen, podem sugerir estado de vazio no Rim (energia renal).

Em resumo, leucorreias brancas e fluidas são sintomas de vazio e frio, enquanto corrimentos vermelhos ou amarelos, viscosos e malcheirosos indicam sintomas de plenitude e calor. A compreensão desses sinais é essencial para diagnóstico adequado na Medicina Chinesa e permite o desenvolvimento de tratamento eficaz e personalizado para cada paciente.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AUTEROCHE, B e NAVAILH, P. O diagnóstico na Medicina Chinesa. São Paulo: Andrei, 1992.

BING, Wang. Princípios de medicina interna do Imperador Amarelo. Tradução: José Ricardo Amaral de Souza Cruz. São Paulo: Ícone, 2001.

ETOSP. Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Acupuntura. São Paulo: ETOSP, 2009, vol.1.

HOLMES, David S. Psicologia dos transtornos mentais. Tradução: Sandra Costa.

2.ed. Porto Alegre: Artmed, 1997.

KWANG, Wo Tou. Mapa dos 5 elementos. Ribeirão Preto: Center TAO, s.d.

LEE, Eu Won. Acupuntura constitucional universal. São Paulo: Ícone, 2002.

MACIOCIA, Giovanni. A prática da medicina chinesa: tratamento das doenças com acupuntura e ervas chinesas. Tradução: Ednéa Iara de Souza Martins. 2.ed. São Paulo: Roca, 2010.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *