Blog Shen

Da essência à integralidade !

Interrogatório das Excreções

Por Susilaine Moraes Aquino

Diagnóstico em Medicina Chinesa por meio do interrogatório das excreções: Interrogatório sobre as urinas e as matérias fecais

O interrogatório das excreções é importante ferramenta na Medicina Chinesa para analisar a saúde do paciente. Vamos abordar os diferentes aspectos relacionados às fezes e à urina e suas possíveis interpretações:

Fezes:

  1. Fezes secas e duras, com emissão difícil e frequência reduzida: Indicam possível diminuição dos líquidos orgânicos ou fraqueza do Qi, que resulta em secura excessiva no intestino grosso e dificuldade no trânsito intestinal.
  2. Fezes moles e informes, quase a ser líquidas: Podem estar relacionadas a duas patologias distintas: a) Fraqueza do Baço, que não consegue cumprir sua função de transformação e transporte dos alimentos. b) Intestino Delgado com dificuldade em separar o puro do turvo, permite que a umidade vá diretamente ao intestino grosso.
  3. Fezes primeiro secas e depois líquidas: Indicam desarmonia entre o Fígado e o Baço, com o Fígado em estado de plenitude e o Baço em estado de vazio.
  4. Fezes líquidas misturadas com alimentos não digeridos ou diarreia matutina: Sinalizam um vazio de Yang no Baço e nos Rins, com excesso de frio e umidade no corpo.
  5. Diarreia amarela em papa: Representa acúmulo de calor e umidade no intestino grosso.
  6. No idoso, fezes nem secas, nem líquidas, mas difíceis de emitir: Isso pode indicar um vazio de Qi.
  7. Fezes pegajosas, semelhantes a geléia, acompanhadas de sangue purulento: Indicam ataque à camada do Qi; se a cor dominante for branca, o ataque é à camada do sangue, e se for vermelha, é sinal de ataque à camada sanguínea.

Sintomas acompanhantes:

  1. Sensação de queimadura no ânus durante a defecação: Pode ser causada pelo calor que prejudica o reto.
  2. Evacuações líquidas, incontinentes e sensação de peso anal, inclusive prolapso anal: Geralmente associadas a diarreias crônicas devido a esgotamento grave do Qi do Baço.
  3. Evacuações líquidas e pastosas com sensação de desconforto: Indicam que o Fígado não cumpre sua função de drenagem.
  4. Dores abdominais seguidas de diarreia: Se a dor é aliviada após a defecação, pode ser embaraço gastrointestinal. Se não, pode haver plenitude no Fígado e vazio no Baço.
  5. Fezes pretas como alcatrão, porém fáceis de evacuar: Correspondem a acúmulos de sangue.
  6. Sangue de cor castanho-preto que segue as evacuações (sangue longínguo) ou sangue vermelho que precede as evacuações (sangue próximo): São importantes sinais diagnósticos.

Urina:

A urina é formada pela transformação dos líquidos corporais e também oferece informações relevantes sobre a saúde:

  1. Poliúria: Indica possível disfunção dos Rins, geralmente associada ao tipo vazio frio. Pode também ocorrer em casos de diabetes (Xiao Ke).
  2. Oligúria: Pode ser resultado de duas causas: a) Insuficiência dos líquidos corporais devido a excesso de calor. b) Disfunção dos Pulmões, Baço e Rins, levando ao acúmulo de umidade no corpo.
  3. Micção penosa e gotejante: Pode indicar síndrome Long, enquanto a ausência de micção pode ser associada à síndrome Bi. Ambas podem ser causadas por plenitude (calor e umidade) ou vazio (deficiência de Yang dos Rins ou de Yin dos Rins).
  4. Micções frequentes e escuras: Podem indicar aquecedor inferior quente e úmido.
  5. Micções abundantes e claras: Sugerem aquecedor inferior vazio e frio, com possível deficiência do Qi dos Rins e perda de controle da Bexiga.
  6. Disúria: Geralmente causada por condição patológica no Lin (uma área anatomia e fisiologicamente relacionada à uretra e ao sistema urinário).
  7. Dor após a micção: Pode ser sinal de vazio e declínio do Qi dos Rins.
  8. Gotejamento contínuo após a micção: Pode indicar falta de firmeza no Qi dos Rins.

O interrogatório sobre as excreções é essencial na Medicina Chinesa, fornece pistas valiosas para o diagnóstico e tratamento adequado dos pacientes. É importante que os profissionais de saúde interpretem cuidadosamente os sinais e sintomas apresentados, considerando o contexto clínico global de cada indivíduo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AUTEROCHE, B e NAVAILH, P. O diagnóstico na Medicina Chinesa. São Paulo: Andrei, 1992.

BING, Wang. Princípios de medicina interna do Imperador Amarelo. Tradução: José Ricardo Amaral de Souza Cruz. São Paulo: Ícone, 2001.

ETOSP. Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Acupuntura. São Paulo: ETOSP, 2009, vol.1.

HICKS, Angela; HICKS, John; MOLE, Peter. Acupuntura Constitucional dos Cinco Elementos. Tradução: Maria Inês Garbino Rodrigues. São Paulo: Roca, 2007.

HIRSCH, Sonia. Manual do Herói. 12.ed. São Paulo: CorreCotia, 2008.

KWANG, Wo Tou. Mapa dos 5 elementos. Ribeirão Preto: Center TAO, s.d.

LEE, Eu Won. Acupuntura constitucional universal. São Paulo: Ícone, 2002.

MACIOCIA, Giovanni. A prática da medicina chinesa: tratamento das doenças com acupuntura e ervas chinesas. Tradução: Ednéa Iara de Souza Martins. 2.ed. São Paulo: Roca, 2010.

REQUENA, Yves. Acupuntura e psicologia. São Paulo: Andrei, 1990.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *